domingo, 7 de novembro de 2010

Desgraça

Sugiro-me ir à forra por pavor,
Receio desesperado que a distância importe,
Que o bicho do mato aprisione no templo o querubim
Para sair solto e sem pressa de voltar.

Sugiro-me infeliz às gotas de esperança.