quinta-feira, 7 de outubro de 2010

O Viaduto

Aqui,
No meio destes sonhos congelados
E manchados pela fuligem do combustível queimando a impulsioná-los,
Sigo carregando a pressa
Rachando as minhas milhares de toneladas,
Sendo calhado de magia pelas tribos,
Contemplando os acontecimentos duma loja de conveniência.