quinta-feira, 14 de outubro de 2010

O Vento

Uivava o vento entre as frestas do meu lar,
Meu cobre mal polido por mera proteção,
E chamava o peso insustentável deste céu
Para os meus ombros
Cansados da doença a consumir-me,
Da solidão a corromper-me,
Dos sonhos a se extinguirem.

Uivava trágico ao enredo da comédia,
Ao interlúdio da piada,
Como se não tivesse acontecido.