terça-feira, 5 de outubro de 2010

O Paradoxo da Usabilidade da Beleza Contemporânea

Está ali para ser nova
Como se fosse original e divina a partir da reciclagem,
Para falar de agora
Como se amasse o mainstream a ponto de confiar-lhe a penetração anal,
Para valorizar a forma
Como se a fórmula não existisse existindo,
Para louvar o discurso escorreito
Como se houvesse verdade abaixo das profundas camuflagens de nada.