sábado, 2 de outubro de 2010

Caminhos Mal Arquitetados

Calha a vida de amor sereno
E grita
Para ninguém ouvir,
Sozinha, bem escondida,
Para libertar-se em dança pagã com os seus personagens,
Desvirtuando os símbolos que são a chave de entrada,
Mas ninguém ousou.