quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Uma das Muitas Selvas no Rigor da Crueldade

A rajada seca de sonhos desconexos mal tocou o meu corpo para parti-lo em dois, consumi-lo do desejo de findar-me, arrotar-me feito o prazer da Coca-Cola bem golada. A temperança ida, extirpada de mim (uma iídiche mama cansada e desnutrida), pôs-me cruel, tornou-me gata polonesa ou apenas ração providencial para a minha sobrevivência, porta aberta com frieza de interpretação ao desfile da bestialidade dos homens.