sábado, 18 de setembro de 2010

Feito Anjo

Pra que esta noite me mate de rir,
Impressiono-me com cantadas hipócritas,
Tendencio-me a uma vida patética,
Creio em Deus,
Não creio em mim;
Nada mais que impulso alheio.

Tiro a tua roupa com minhas mãos criadoras,
Expresso-te mais farta,
Mais puta,
Voraz
E te fodo sobre a mesa com o meu egoísmo animal.