quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Em Nome do Personagem

Pelo desejo da imortalidade
Vou morrendo no que sou
E sendo o artifício
No limite do artifício,
Na sua aparência fantástica para quem chega
E invejável para quem já está,
Mas não sou eu;
Desisti de mim.