segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Adeus

Foi-se janela afora até que a perdêssemos de vista,
Acompanhando o mastro da fé,
Alforriando um suspiro para que fosse verdade.

Foi-se e não deu mais notícias,
Morreu para o cosmo de mim,
Explodiu-se à serenidade de quem só observa.