sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Porcelain Shower

Quero a coragem toda
Despedaçada naquilo que só há.
Quero a verdade e a rosa
Despetalada,
Despenteada,
Crua só naquilo em si.
Quero a porta aberta,
Pois sei roubar e transformar
-Não te quero a dor-;
Sou alquimista do que crê teu.
Quero uma luz discreta
-Quase com nojo e dor-
Em vil penumbra a ir-se
Na longa sombra a esticar-se desenhando um quase fim.