domingo, 8 de agosto de 2010

Lusa

Eu queria falar da portuguesa
Que surge em fato vil
Suja e linda,
Magnífica,
Hábil feiticeira,
Mas sequer se descontrola,
Move-se da sua mentira,
Permite-se.

Eu queria falar da portuguesa,
Contudo,
A alma rochosa em detrimento do espírito pirracento
Mantem-me cego;
Fazer o que?