quinta-feira, 22 de julho de 2010

Não Tenho Metrônomo

Não tenho metrônomo,
Ademais,
Não adiantaria neste clima bruto e doido de variante,
Nesta memória a mergulhar na percepção por escorregar-se
(E uma na outra, e outra na uma),
Nesta urbe debaixo de fluidos viscosos.

Não tenho metrônomo,
Que meça algum desocupado depois feito-
Se feito,
Metrado em corpo de aparar,
E disposto a quem dê sentido.

Não tenho metrônomo,
Não,
E nem sei pra que quero isso:
Não!