sábado, 10 de julho de 2010

Demérito

Engole a porra amarga
Pois o mundo lá fora nos rege;
Não deixe vestígios,
Seja quem se preze.

Oculta este cheiro
De quem se despedaçou
E cobre a sua cara,
A cara de amor.

Suporta a suspeita
Dos sabores seus no lixo
E segue a sua vida,
Não ligue pra isso!