sábado, 12 de junho de 2010

Daqui a Três Anos

Por aquele corpo delicado e miúdo
Criou-se o cosmo das coisas contidas,
Do desejo dilacerante pelo toque naquela estrutura delgada,
Melenas caídas sobre a doçura pernicruzada,
Sorriso encontrado de tanto ensaio,
Semblante a nove graus,
Olhar oblíquo,
Viés de casta perversa.

Por aquele timbre doce de quase rouco
Disparo,
Cegueira,
Morte por renascimento,
Beleza por tendenciosismo à eternidade
Até um fim
Que há por quem o estabeleça.