sexta-feira, 21 de maio de 2010

Ilegal, Mas a Quero

Quem deseja estas ilusões cicatrizadas,
Vividas e distorcidas à marreta e talhadeira,
Sabe que um dia quis esfaqueá-lo de frente pela eternidade
E cede o peito pela glória...
Ilegal,
Mas quero tomá-la de assalto,
Furtar a minha alma
Há muito prostituída.