quarta-feira, 21 de abril de 2010

Cravada em Coral

Desconheço o que desejas
Serpenteando neste céu
De compaixão às avessas no cerne - a rara dita cuja de verdade (mentira de tão esporádica),
Dadaísmos imortais,
Porém te quero assim - ululando,
Desejo-te Tu
Sacrificada dos compêndios para esta ética miúda,
Nada exposta,
Transmutando o teu tumor em raridade.