terça-feira, 27 de abril de 2010

Canção de Ninar Escravos

É grave,
Mas não é sério:
Um dia ela acorda
E mostra o seu sorriso
Manchado detrás da porta.
É simples,
É importante,
É feito de gente crente
Na sorte que há na vida
E no gozo de um demente.
É canto desfalecido,
É jeito apropriado
De sermos um impossível
Vestido de renegado.
É luz quase definhante,
Banquete de maltrapilhos
E voz quase afogada
Pedindo amor aos filhos.