quarta-feira, 24 de março de 2010

Sonhos de Taverna

Abatido pela velha lesão no joelho direito, voltei a absorver o título medieval que algum tempo não me satisfazia; eu, um personagem de bem na inocente e sangrenta trama maniqueista, compunha um novo nome e novas características no reino rival. Dos clãs de mesmo idioma e costumes, desde sempre nenhum para os meus; vez ou outra um nativo dos meus e com este sonhos de taverna por um clã imortal, mas apenas sonhos de taverna.