sábado, 20 de março de 2010

Delirium

O meu destemor cadente,
A minha fala,
Desencarnou a dor que me afagava sem querer,
A tentativa dos deuses para a minha delusão suicida...

Passava das duas e era só destempero:
Fronte ao teto enquanto eu,
Desprovido da tua embriaguez,
Surtava em treva de morto-vivo,
Partia-me em névoa de iniquidade.