quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Tese, Antítese e Nenhuma Síntese


Amados à eternidade aos sentimentos daltônicos,
Injulgados após o apedrejamento das massas famintas,
Estaríamos,
Tu e Eu,
Fadados ao fracasso presente?

Pois bem,
Que fracassemos,
Que segures tardiamente a minha mão armada,
Que o revide nos mate por um século.

Mas, então,
Glória maior é não a enredar?
Melhor e adiante,
Julgar estúpida a estupidez antes da nossa?