domingo, 14 de fevereiro de 2010

Storm


Teu traço manco,
Roto,
Vesgo
Aprisiona sem querer
As deidades e ilusões,
As complacências e ressoares infinitos de nada-humano.

Teu lábio vasto,
Farto,
Casto
Impressiona por viver
Os desvarios que forçamos em significante.

Tuas estruturas de mentira
Rufladas à verdade
Pedem
Ou imploram
Por tudo desprendido dos instintos.