terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Decadência

Eu parti desejando o universo em sorrisos bobocas
Dó de mim, eu não tinha saída, fecharam-me as portas!
Meia-Noite, chapado e faminto, eu fazia barulho
Mas o grito que eu cria ser meu se estampava num muro
De memórias o meu baluarte então se formava
Enquanto eu previa com sono o fim da jornada
As luzes que eu via e sentia não tinham paixão, não!
E tudo o que eu havia vivido era só ilusão