sábado, 16 de janeiro de 2010

O Pseudônimo, os Heterônimos e a Personagem

Contarei com tudo o que tenho
E não passarei por cima disto,
Sequer arranharei:
Estarei preso sem saber,
Atordoado sem sentir,
Só.

Confiarei os meus segredos ao futuro
Em um trêmulo sussurro desconexo:
Não tenho sexo ou humanidade,
Não sou fiel a mim-
Rendo-me à alma da personagem,
Não tenho fé em minhas pernas gangrenadas.