segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Macromania

Mas ele não entendeu que vai aonde quero
E não é isso que eu quero;
Diante das submissões generais dum macho regular,
Prossegue o suposto escorreito ritmo decadente de glórias volúveis
E não me tem,
Não me comporta mulher debaixo destas vestes de silício-
Acredita que sou aquele,
Obceca-se por falso indício.

Ele exige a aprovação dum microcosmo passado,
Mas estou aqui:
Presente e pungente sobre a sua crida ignomínia,
Cedo-lhe corpo e alma construídos sobre flocos de falta de verdade,
Guio-lhe sem caos aparente,
Sem o meu gozo.