quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Cruelíssima

As tuas reações de mulher,
A minha muleta patética,
São a fome e o desejo de continuidade,
A mentira que teço para mim,
O contemporizar para ter-te,
Contudo,
Reduzida à minha bestificação,
Sempre temi,
Receptiva de impotente,
Os teus olhos de fera.