sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Ainda da Crueldade

Se toda ameaça emocionada nasce do próprio medo do molestador,
Dos seus amores não retribuídos,
Da sua sede perdurada,
Dos seus desejos contidos,
Das suas experiências frustradas,
Creio-me cruel a acompanhar a construção do seu próprio funeral.