sexta-feira, 13 de novembro de 2009

O Ritual

Após deixá-los de molho em uma bacia com água por pouco mais de dez minutos, antes do fim da novela das oito, punha cada um dos pés por vez sobre o colo, coberto por toalha, da esposa e se desligava de toda a podridão enquanto ela esfoliava a recorrente camada de pele morta com as pontas das unhas. A cada grande pedaço dependurado por uma tênue película, o senhor aguardava o puxão seco da cônjuge para um suspiro curto de prazer, porém, às vezes extirpado antes do tempo, o pedaço de tez ressecada, abria-se uma sina acompanhada da dor aguda e do grito: "Caralho, mulher!" E esta torcia os lábios numa careta para repreender. "Quer que eu pare?": sempre a perguntar ao marido, e o mesmo, resmungando algo inteligível, concluía o código para que o ritual prosseguisse.