segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Demonova

Cabia-te o sereno,
As estradas vazias
E a sede de mim.
Dizia-te, a saudade,
Que o menor segredo seria mortal.

As tuas mãos de pele flácida e enrugada,
Que passeavam egoístas sobre o meu corpo,
Machucando os meus seios,
Arroxeando as minhas pernas,
Mais me serviram de medo;
Tornaram-me tu.