terça-feira, 13 de outubro de 2009

Merda

Perde-se,
Não grita;
Sussurra claramente cada sílaba
E transforma a sentença em adaga
Para cortar o meu tórax de baixo para cima,
Tira-me a vida a destronar a minha redoma de nada,
Torna-me puta,
Xucra,
Pouco,
Gente!