sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Plural de Doidice

O arco que a tua boca faz
Quando está séria,
Toda pensativa,
É o arco que nos deixa sempre divididos.

O brilho que os teus olhos são
Quando está fula,
Toda pê da vida,
É o brilho a alumiar-nos sobre o tal perigo.

E não me importa se esquecer-me
Daqui a uma ou quatro estações,
Porque fui eu quem desassossegou;
Eu não esqueço, não.