segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Loucas para viver, prontas a morrer

Os suportes de madeirite sobre os cavaletes,
Os papéis e telas nuas que nestes cabem,
As paredes de vidro a vomitar a Angélica,
As colunas de aço a aprisionar sem alpiste e capim-estrela,
O narizinho arrebitado de Deméter,
A corrida ao terraço contra a contravenção,
A couraça de mentiras,
O não:
Tudo residido em uma sala onde o chão acolhe estendidas as ilusões.