quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Alarde Sincero

A boca podre que me consome receptiva,
Repetitiva em minha lamúria de carência,
Não é máscara,
Não tem graça;
Não pode ser despida.