sábado, 18 de julho de 2009

Desmiolado

Como tu vias antes das leituras a fio,
Da frieza cirúrgica,
Desta tonelada de nada?
Eis-te feto:
O que enxergavas no que não podia,
No que sentias sem perguntas
por amedrontar-se,
Na ameaça do proclamar-se?