terça-feira, 21 de julho de 2009

Ciberebó

Não há pente que me penteie,
Calafrio que me amanse,
Mas não deixe a tua nega,
Não me deixe, amor,
Esquecer-te nesta vala rasa.