sábado, 20 de junho de 2009

Lucrécia

Por que cuspiria nas cruzes,
Praças,
Cercanias,
Se às personagens a se repetirem durante a humanidade me rendo?

Sou cheia de vícios,
Até a borda de vida,
Antes do céu de temores,
Principado do ódio.

Por que contar estes nós,
Loucos para serem desatados,
Se me expurgo junto aquilo que vai comigo?

Fui cheia de vícios,
Até a borda de vida,
Antes do céu de temores,
Principado de mim.