sexta-feira, 22 de maio de 2009

Olá, Dolly!

Que o Sol se ponha logo,
Carregue flores e versos,
Esbarre e acorde vozes e gestos a sucumbirem de fome.
Que as sombras pelos outros astros,
Longínquos asteriscos ululantes
E próximo reflexo do que nos dá,
Desenhem algo que sigamos sem medo,
Ao menos rabisquem.