quinta-feira, 28 de maio de 2009

Ilusão de Dia Diferente

Procuro não ler o que escreve
A fim de que não aconteça;
Prefiro retirar os livros da estante
E desempoeirá-los para esquecê-los nalgum caminho.

Procuro não ver o seu contorcimento-
Embora haja tantos por aí,
Todavia ainda talho a cópia da sua feiúra impactante
Nas tristezas submarinas de um lugar semelhante,
Por idêntica razão.

Isso não é uma cantiga de amor;
Mesmo a questionar-se acerca da raleza de compaixão,
Isso não é uma cantiga de amor.