quinta-feira, 30 de abril de 2009

Sang Rouge

Do transbordo d'alma nas Terezas dos confins paulistas-
Cestas quase cheias para o sangue persa,
Não usaste o segredo,
Sequer o pediste:
É ranhura no portão o que vês.