terça-feira, 24 de março de 2009

A Prisioneira

Não me importa se redunda o verso ao amor estilhaçado,
Tanta doçura existe para que cegue quem nos enlouqueceria.
Se permaneceres assim,
Tristonha em tua cela comum,
Não há como calharmos a voz com o timbre que ordena os cavalos.