quinta-feira, 26 de março de 2009

Limbo

Vai levar uma cara para destrançar a tortura da alma,
Contudo, não me perderei pela prudência contra a dor.
Se se regalam das minhas partículas de mulher,
Dulcíssimas sobre o colo,
Tenras abaixo do umbigo,
Não me nego presa aos seus cânticos para compor nações,
Apesar da ameaça viral que carrego no ventre.
Se me disponho assim,
Descaminhada e míope,
Sinto-me só;
Mergulhada em seus sabores desejo a mim mesma.