terça-feira, 10 de março de 2009

As Paredes de Algum Lugar

Assim que vi a tua essência em outras mãos,
Presa pelas asas prestes a serem recortadas,
Contive o que senti e prossegui sem entender;
A temer uma morte faminta nos aniquilei.

Anos depois,
As tuas cores separadas nas formas que as cabiam,
O sentido extraído das semi-representações-
A graduação em escamas decepada.

Ainda voas na projeção de tempo extinto,
Eu sei que sim,
Contudo não há a tua dor mensurável a mim...
Voa,
Apenas voa.