segunda-feira, 30 de março de 2009

Anátema

A lei de ouro é lama da boa para suavizar a pele de dondocas,
Pseudo-estoicas a cavalgar sobre caralhos duros...
Mas é assim, comadres,
Mesmo crendo estar num carrossel auto-reconstrutivo durante a plena operação,
Sempre haverá mãos à obra
Munidas de latas de cimento e de massa corrida
Para cristalizar beleza correlata a do metal que também se fragmenta com o tempo;
Mais tempo que o de qualquer uma de nós,
Ensimesmadas num orgasmo de figuração altruísta.