quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Turba

Quem me vê daqui
Morre de medo,
Quem me vê passar
Quase não vê.
Nada parece fazer jus aos meus espelhos;
Desaparecem os fatos antes de mim,
Surpreendem-se depois.