terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Nós

Não me preocupo mais conosco,
Talvez comigo mesmo e com o mundo,
Com o cocô e a bomba atômica;
Nem suspeito quem somos nós,
Mas sou eu indissolúvel em vós,
Incorruptível sob as regras que eu mesmo determino.

Sou paz e o resto é dúvida:
Suplico para que esta loucura engula a carbamazepina que prescrevo
E ouça,
Mesmo que as minhas palavras sejam só podão e colheita,
Consolação pelo híbrido indagar que semeio...

Sim, ambiente para mim mesmo,
Não suspeito de mim.