segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Sobreviver de Arte

Cavando o próprio sepulcro,
Apodrecida antes da maduração,
Só cobres de hidrografia os traços desbotados;
Traços que não são teus
Nem meus.

Não era pr' agora,
Mas a manufatura sobr' as fibras,
Sem relação ou orientação a objetos
(Tramas virtuais),
Ainda é o valor que cativa.
Então vai,
Escreve o teu livro,
Permite que o mundo te toque com as pontas dos dedos,
Mesmo que este mundo seja apenas um comprador enganado.