sábado, 17 de janeiro de 2009

Romioi

Desconheço a herança que valha a pena
E desconfio daquela que eu precise mudar o nome para afirmar minha;
Nada tenho nas mãos,
Nem os teus cabelos.

Diante do abismo que me olha,
E me chama,
E me xinga,
E me inflama,
Desconfio que falta pouco,
Todavia sempre é pouco esperar-
Antes arremessar-me.