sábado, 10 de janeiro de 2009

Ratos e Baratas (Dona Baratinha de saco cheio)

Quando tu te dizes contra algo,
Fizeste-te representar com eficácia
Ou apenas gritas no escuro?


Cansei de escolher a mais rija
Dentre milhares de pedras pequeninas,
Nem quero mais arremessá-las para o nada:
Não quero o nada...
Continuarei conhecendo os castelos de merda nenhuma
E os seus reis de caralho algum;
Talvez se matem com os meus votos de boa sorte
Enquanto danço mais um bolero com outra mentira prostituta.

Mergulhar em uma fôrma por dia me cansa,
Antes mesmo de nascer já havia cansado:
Não há escuro nem grito que baste!