domingo, 18 de janeiro de 2009

Os Colibris

Eis que morrem os colibris;
Envenenados pelo amor que os alimentara,
Morrem felizes entre o desejum e o afago matinal.

Quem dirá que voltarão
Em sonhos ou lástimas,
Fúria ou ressentimento?

Morrem os colibris,
Deixados de lado pela praga que os criou.