sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Vertical estreito

Eis que mudo o caminho desta mão perdida sobre um seio farto;
Agora esgana,
Tenta inibir o desejo da primeira de si mesma.

Agora aposento duma vez os olhos,
Nem cavidades rasas pois já não se trata de organismo decaído-
Não é sensação na extremidade de um prazer qualquer.