sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

A Senhora

É só uma criança;
Apesar da voluptuosidade,
Do matrimônio acomodado
E das mãos marcadas pela lida diária,
Sempre mergulha na abstração de um desenho animado,
Nunca se rende às irreais profundidades senis da construção humana para a vida.

É só uma criança
Com as asas aparadas pelo verdadeiro mal;
Liberdade contida pelo ciúme,
Vivacidade constrangida pelo crime.